Gugu
Foto: Reprodução Instagram

Veio a tona na tarde desta quinta (7) em publicação feita pelo site Notícias da TV, trechos do processo de reconhecimento de união estável homo afetiva do chef de cozinha Thiago Salvático com o apresentador Gugu Liberato, e a partilha dos bens acumulados durante o período em que estiveram juntos.

Por meio de uma ação protocolada na 9ª Vara de Família e Sucessões do Foro Central da Comarca de São Paulo, ele relata ter se relacionado com Gugu durante mais de sete anos, e que levaram uma vida conjugal durante três anos.

Protocolado em 9 de abril, o processo de mais de 100 páginas detalha o relacionamento do chef com Gugu Liberato, desde o dia que se conheceram, em novembro de 2011, até a morte do apresentador em novembro de 2019.

O documento conta que Thiago e Gugu se conheceram em um voo ponte aérea de São Paulo ao Rio de Janeiro, onde sentaram lado a lado e foram conversando durante o trajeto, chegando a trocar endereços de e-mail assim que desembarcaram, e a partir daí, pararam a se falar diariamente por telefone.

Ainda em 2012, no mês de maio, fizeram a primeira viagem juntos para Milão, na Itália, se hospedando em um luxuoso hotel, em quartos deparados. Ali, passaram duas horas conversando na suíte do apresentador, e antes de descerem para o jantar, deram o primeiro beijo.

Durante a viagem ficaram poucos dias juntos, e só voltaram a se encontrar em outubro do mesmo ano na casa de Gugu em Barueri (Grande São Paulo), onde decidiram passar o final de semana em Búzios (Rio de Janeiro), indo até lá no avião particular de Gugu.

Após os dias juntos, Thiago voltou para a Alemanha, onde morava, mas mantendo contato diário com o apresentador.

Os dois se reencontraram somente em julho de 2013 em uma viagem romântica ao sul da Itália, passando por Ísquia e Positano, e nessa ocasião que eles tiveram a primeira relação sexual. Em agosto do mesmo ano, o apresentador teria pedido Thiago em namoro, em um luxuoso hotel em Istambul (Turquia).

No processo foram anexados comprovantes de viagens que fizeram juntos ao redor do mundo; a lista com mais de 40 destinos conta com Espanha, Ilhas Maldivas, Dubai, Finlândia, Áustria, África do Sul, México e França. Diversas fotos do casal também foram anexadas ao processo.

A defesa inclui ainda trechos de conversas que o casal mantinha pelo aplicativo WhatsApp. Nos trechos, constam apelidos carinhosos do casal: “Paxtel” e “Poxinha”.

No processo, a defesa de Thiago conta que foi em uma viagem à Suíça, em novembro de 2016 que definiu o novo status do relacionamento do casal, onde teriam assumido o compromisso de ficarem juntos para sempre e formarem uma família.

Com diversos relatos íntimos do casal, Thiago afirma que no último aniversário do apresentador, em 10 de abril de 2019, eles estavam juntos em Sintra (Portugal), onde o chef pediu ao músico do restaurante onde jantavam que tocasse “Chariots of Fire”, tema do filme “Carruagens de Fogo” (1981), instrumental que fazia parte da história do casal.

O viúvo cita também a última viagem do casal entre 17 de outubro e 4 de novembro de 2019. No último dia, o perfil oficial do Power Couple Brasil havia sido invadido e noticiado a falsa morte de Gugu. Eles estavam juntos em Singaputa, e de lá o apresentador publicou uma foto em seu instagram desmentindo a notícia.

De volta ao Brasil, ficaram juntos até 15 de novembro, quando o apresentador precisou voltar à Orlando (EUA) para resolver problemas pessoais com seus filhos. Uma semana depois, Thiago foi notificado por Nilton Moura, motorista e confidente de Gugu sobre o acidente que causou a morte do apresentador.

Família de Gugu

Na ação, a defesa do chef de cozinha argumenta que o envolvimento entre os dois não tinha mais como evoluir em termos afetivos, e que o acordo verbal selado em 2016 onde acordavam passar o resto de suas vidas juntos e construir família, configura a relação como uma união estável.

Entre as provas anexadas à favor do chef, consta que o casal compartilhava cartões de crédito, e que Thiago tinha as senhas dos cartões pessoais de Gugu, além de possuírem investimentos em conjunto administrados por ambos; incluindo até o compartilhamento de serviços de streaming, entre eles o Playplus, serviço de streaming da Record TV.

Confira o episódio especial de nosso podcast sobre o assunto.